PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA - SME CENTRO DE

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA - SME CENTRO DE

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA - SME CENTRO DE FORMAO PEDAGGICA 1 Encontro de Formao Continuada de Lngua Portuguesa da Rede Municipal de Ipatinga 1 de maro de 2012. Sejam Bem-Vindos! INFORMES Previso dos encontros para o ano de 2012 Blog: cenfopportugues.wordpress.com E-mail: [email protected] Planto Pedaggico Aprendizagem Significativa Apresentao de vdeo Apresentao e validao do Planejamento de Lngua

Portuguesa para o 1 Bimestre de 2012 Diviso dos contedos Sequncia Didtica Tarefa APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Aprender construir significados, e ensinar oportunizar essa construo (MORETTO, 2010, p. 71) Aprendizagem Significativa : aquela em que o significado do novo conhecimento adquirido, construdo com compreenso e, por meio da interao no arbitrria e no literal desse novo conhecimento, com algum conhecimento prvio relevante existente na estrutura cognitiva do aprendiz.

Perspectiva Cognitiva Clssica de David Ausubel em 1967 APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA a aquisio de conhecimentos com compreenso e elaborao, com maior reteno, com capacidade de explicao, aplicao e transferncia. NO LITERAL CONHECIMENTO PRVIO

NOVO CONHECIMENTO NO ARBITRRIA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA As novas informaes no apenas se associam, mas interagem com os conhecimentos prvios e ambos se modificam num processo de transformao mtua: o novo conhecimento passa a ter significado e o conhecimento prvio adquire novos significados, fica mais diferenciado e elaborado. CONHECIMENTO PRVIO APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA A facilitao da

Aprendizagem Significativa em sala de aula no trivial. A funo da escola criar condies para que o aluno aprenda de maneira CONHECIMENTO PRVIO significativa, relacionando a explicao cientfica com o seu cotidiano.

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA MATERIAL POTENCIALMENTE SIGNFICATIVO CONHECIMENTO PRVIO PR-DISPOSIO PARA APRENDER APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA O principal RECURSO FACILITADOR da conceitualizao, devido sua caracterstica de ser mediadora, a LINGUAGEM. Ela um instrumento imprescindvel para a interao pessoal, discusso e negociao de significados. A negociao de significados consiste na troca, dilogo ou intercmbio atravs da interao entre alunos, professor e

material educativo. m e g a diz n e r p a a h CONHECIMENTO r o

a t n i l s i a c i , PRVIO a g

a f v Para gnificati estrat 36). h p. si , s 8 a 0 m , , 20 s

A R a I t E i rece INI e MOR SI (MA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Outra estratgia facilitadora relacionar o que aluno est aprendendo na escola com o seu DIA A DIA, fazendo uma ponte entre o conhecimento cientfico e o mundo em que ele vive.CONHECIMENTO

Esses recursos facilitadores visam contribuir para a PRVIO organizao da estrutura cognitiva e para ativao do processo de aquisio de significado. (MASINI e MOREIRA, 2001). APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Os ORGANIZADORES PRVIOS so materiais instrucionais apresentados antes do contedo a ser aprendido, construindo uma ponte cognitiva entre o que o aluno sabe e o que deve saber, ou ajud-lo a relacionar o novo conhecimento com o seu conhecimento prvio. CONHECIMENTO PRVIO APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

CONHECIMENTO PRVIO PLANEJAMENTO 2012 1 BIMESTRE LNGUA PORTUGUESA- 3 CICLO 11 ANOS (6 ANO) Objetivos Especficos Contedos 1- Recontar fbulas e conto de fadas por meio de ilustrao e reescrita. 2- Desenvolver a capacidade de produzir textos narrativos com dilogos. 3- Escrever dentro dos padres da norma culta e refletir sobre a norma ortogrfica; refletir sobre a grafia das formas verbais no tempo do pretrito e do futuro.

4- Identificar e classificar o artigo e o substantivo; verificar por meio de questes propostas, a funo semntico-estilstica do artigo e do substantivo na construo do texto. 5- Relacionar a comunicao construo de frases e produo de sentido. 6- Empregar corretamente os sinais de pontuao como recurso na construo do sentido do texto. 7- Classificar as palavras de acordo com o nmero de slabas; classificar as slabas quanto tonicidade. 8- Concluir que um mesmo fonema pode ser representado por letras diferentes e que uma mesma letra pode representar diferentes fonemas; reconhecer os encontros voclicos e consonantais e fazer a correta diviso silbica de vocbulos. 9- Aliar o uso do dicionrio compreenso do texto. 1- Leitura e interpretao de FBULAS E CONTO DE FADAS. 2- Produo de textos narrativos. Uso do dicionrio.

3- Ortografia: escrita de palavras com (M/N, R/RR, S/Z, NH, QU, GU, EZ, EZA), formas verbais (AM/O). 4- Classe de palavras artigo e substantivo. 5- Tipos de frases. 6- Sinais de pontuao. 7- Diviso silbica, slaba tnica e tona. 8- Fonema e letra, dgrafo, encontro voclico e encontro consonantal. 9- Uso do dicionrio. PLANEJAMENTO 2012 1 BIMESTRE LNGUA PORTUGUESA- 3 CICLO 12 ANOS (7 ANO) Objetivos Especficos 1- Conhecer e empregar as palavras, observando suas respectivas classes gramaticais, relacionando-as a aspectos semnticos e discursivos em situaes

concretas de interao verbal. 2- Empregar adequadamente e refletir a respeito da norma ortogrfica. 3- Identificar vocbulos novos e us-los em contextos diferentes; ajuste da linguagem situao de comunicao. 4- Reconhecer a funo, a invariabilidade e a classificao do advrbio. 5- Desenvolver a oralidade, compreender o texto com o uso de estratgias de leitura, comparar textos diversos pertencentes ao mesmo gnero textual, compreender as caractersticas e os mecanismos de construo dos gneros textuais em questo. Recontar o texto oralmente utilizando ilustraes. 6- Transpor uma narrao oral para o texto escrito. 7- Reconhecer a importncia de se acentuar as palavras adequadamente como um recurso de construo de

sentido no texto. Contedos 1- Reviso de classes de palavras. (Estudadas no 6 ano) 2- Ortografia: J ou G? (Reviso de contedo do 6 ano) 3- Linguagem formal e informal. 4- Advrbio: conceito e classificao 5- Leitura e compreeenso: lendas e mitos. 6- Produo textual: LENDAS E MITOS. 7- Regras de acentuao. PLANEJAMENTO 2012 1 BIMESTRE LNGUA PORTUGUESA - 4 CICLO 13 ANOS (8 ANO) Objetivos Especficos Contedos

1- Aprimorar a leitura oral; desenvolver estratgias de leitura; comparar textos, buscando semelhanas e diferenas quanto s ideias e forma; desenvolver a habilidade de leitura de textos noverbais. 2- Reconhecer o verbo e suas flexes; empregar os verbos segundo o contexto apresentado. 3- Conhecer e empregar as palavras, observando suas respectivas classes gramaticais, relacionando-as a aspectos semnticos e discursivos em situaes concretas de interao verbal. 4- Relacionar o conceito de frase ideia de sentido completo; diferenciar frases nominais de frases verbais; compreender o conceito de orao. 5- Identificar e classificar o sujeito em diferentes situaes textuais; construir o conceito de predicado verbal, nominal e verbo nominal.

6- Produzir crnicas e notcias observando as caractersticas e os mecanismos de construo desses gneros textuais. 1- Leitura: CRNICA NARRATIVA, NOTCIA, CHARGES, CARTUNS, TELAS E IMAGENS. 2- Reviso de verbos. 3- Classes de palavras. (Reviso) 4- Frase e orao. 5- Sujeito e predicado. 6- Produo de texto: produo de crnicas e de notcias. PLANEJAMENTO 2012 1 BIMESTRE LNGUA PORTUGUESA- 4 CICLO 14 ANOS (9 ANO) Objetivos Especficos

1- Conhecer e empregar as palavras, observando suas respectivas classes gramaticais, relacionando-as a aspectos semnticos e discursivos em situaes concretas de interao verbal. 2- Reconhecer os elementos semntico-sintticos que causam diferenas entre frase, orao e perodo. 3- Compreender as relaes de sentido estabelecidas pelas conjunes entre as oraes coordenadas; empregar as conjunes coordenativas de acordo com a relao de sentido pretendida na interlocuo. 4- Compreender a relao semntica estabelecida entre as oraes pelas conjunes subordinativas e usar estas conjunes na produo de texto como elemento de coeso textual. Contedos

1- Classes de palavras. (Reviso) 2- Frase, orao e perodo. 3- Perodo composto por coordenao. 4- Perodo composto por subordinao. PLANEJAMENTO 2012 1 BIMESTRE LNGUA PORTUGUESA- 4 CICLO 14 ANOS (9 ANO) Objetivos Especficos Contedos 5- Produzir narrativas, notcias e reportagens. 5- Produo de texto: reviso da NARRATIVA, NOTCIA, REPORTAGEM. - Produzir texto predominantemente narrativo,

usando recursos prprios desse tipo de composio 6- Emprego das palavras: e colocando em prtica os conhecimentos - Porque / Porqu / Por que / Por qu. construdos a respeito do uso do verbo, conjunes, - H /A pontuao, e do uso adequado da linguagem; - Mas / Mais / M - Observar personagem, ao, tempo e espao nas narrativas e exercitar em textos o emprego desses elementos; - Criar textos narrativos tomando como base a noo de enredo; - Conhecer a estrutura e a funo social dos gneros textuais (notcia e reportagem), bem como produzi-los. 6- Apropriar-se das regras que regulam o emprego das seguintes palavras:

- Porque / Porqu / Por que / Por qu. - H /A - Mas / Mais / M SEQUNCIA DIDTICA O QUE ENSINAR? Atividades desafiadoras e bem encadeadas, que induzam o aluno a pensar e construir o seu prprio conhecimento, so o caminho mais curto para o bom aprendizado de matemtica. SEQUNCIA DIDTICA

SEQUNCIA DIDTICA um conjunto sistematizado de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar um contedo etapa por etapa. Essa proposta envolve atividades de aprendizagem e avaliao, organizadas de acordo com os objetivos que o professor quer alcanar. Ao organizar uma sequncia didtica, preciso preparar detalhadamente cada uma as etapas do trabalho: Compartilhar a proposta de trabalho com os alunos: importante explicar o trabalho passo a passo. Apresentar o que ser estudado e comentar as atividades que sero desenvolvidas. Organize com a turma um plano de ao, anotando cada etapa da proposta. SEQUNCIA DIDTICA Mapear o conhecimento prvio dos alunos: Nesta

etapa, os alunos conversam sobre o que conhecem sobre o assunto que ser trabalhado. Desenvolver atividades que proporcionem a ampliao do repertrio dos alunos: De posse do mapeamento dos alunos informao precisa para avaliar em que ponto est a turma o professor elabora um conjunto de atividades que aproxima o aluno do contedo, aumentando os desafios e propondo diversas discusses para que toda turma avance. Essa diversidade de propostas amplia a possibilidade de xito dos alunos. SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: OBJETIVOS CONTEDOS

TEMPO ESTIMADO DESENVOLVIMENTO AVALIAO O que se espera que os alunos aprendam com a atividade proposta, tendo como foco a aprendizagem, e no o ensino. Contedos curriculares trabalhados na atividade. MATERIAL NECESSRIO Envolve as vrias etapas da atividade, as intervenes a serem feitas, a criao de situaes mais adequadas realidade

da turma. Verificao do processo de aprendizagem. Parmetros a serem usados no decorrer das etapas. Atividades especficas, como problemas e perguntas. EXEMPLO DE SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Lendo o mundo por meio de charges 8 Ano Objetivos - Introduzir os alunos em um novo gnero: a charge.

- Adquirir estratgias de leitura prprias do gnero que facilitem sua compreenso das charges. - Despertar a curiosidade dos alunos sobre essa forma de expresso artstica. Contedos - Charge. -Leitura e compreenso de charges. Tempo estimado 4 aulas Material necessrio - Computadores com acesso internet ou cpias de charges para distribuir para os alunos; SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Desenvolvimento Primeira etapa:

Converse com os alunos sobre charge, pergunte-lhes se sabem o que so e se j leram charges. Em seguida, apresente a charge abaixo aos alunos. Texto I Fonte: http://www2.uol.com.br/angeli/ SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Solicite aos alunos que observem a charge. Primeiramente, chame a ateno para os traos, o formato, as personagens. Pea que os alunos relatem suas impresses iniciais sobre a charge apresentada. Poderamos dizer a que classe social pertencem as personagens? SEQUNCIA DIDTICA

AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Em seguida, mostre aos alunos outra charge: Texto II Fonte: http://www2.uol.com.br/angeli/ Chame a ateno para a imagem da escola representada na charge: cor e tamanho, a placa e seu contexto mais frequente, a vizinhana. SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Discuta com os alunos, o possvel motivo pelo qual a escola est fechando, quais so os estabelecimentos comerciais que esto tomando o espao da escola e pelo que parece tendo maior aceitao. Explique aos alunos que a charge sempre tem o objetivo de fazer uma critica poltico-social e o chargista expressa seu ponto de vista sobre a sociedade

atravs das ilustraes. Aps a anlise das charges apresentadas, solicite aos alunos o preenchimento do quadro comparativo abaixo: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: TEXTO I Ttulo: Autor: Assunto: Crtica: TEXTO II

SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Segunda etapa: Divida os alunos e distribua para cada grupo uma das charges abaixo para ser analisada e discutida. Proponha a cada grupo a escrita coletiva de um pargrafo com as seguintes informaes: descrio da charge; (1) quem o autor; (2) onde foi publicada; (3) qual o assunto da charge; (4) quais so as personagens da charge;(5) qual a crtica apresentada. (6) em que est baseada a ironia;(7) SEQUNCIA DIDTICA

AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR:

Aps a anlise da charge e a construo do texto coletivo pelos grupos, solicite aos alunos que apresentem o texto produzido a toda a classe. Nesse momento, aproveite a exposio oral para acrescentar alguma informao que no foi claramente explicitada pelos alunos. Terceira etapa: Apresente uma charge animada aos alunos para mostrar as mudanas pelas quais o gnero vem passando com o advento da tecnologia. Em seguida, discuta com os alunos sobre as crticas apresentadas na charge, considerando: a atualidade do tema, a presena de humor e ironia, os recursos visuais. http://www.youtube.com/watch?v=BaA382aip8o&feature=related SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: SEQUNCIA DIDTICA AS SEQUNCIAS DIDTICAS SO COMPOSTAS POR: Aps a exibio da charge, faa uma breve discusso oral sobre as seguintes

questes: 1) Quem so as personagens da charge? A que programa elas pertencem? 2) A banda intitulada Chaves Brown Jr. faz referncia a que banda brasileira? 3) Qual o sentido da expresso a gente quente? 4) Por que "no difcil explicar que a moada se revolta com a ameaa de no exibio do programa do Chaves? Avaliao Solicite aos alunos que folheiem jornais e revistas procura de charges. Em seguida, eles devero escolher uma das charges para apresent-la oralmente turma. O roteiro de fala deve ser o mesmo usado na segunda etapa.

TAREFA Elaborar uma sequncia didtica sobre um contedo do bimestre, utilizando uma metodologia diferenciada (observe as sugestes de sequncias didticas). No prximo encontro, socializaremos a sua proposta de sequncia com os colegas.

Obrigada ! Elizete Gonalves de Arajo Reis Assessora de Lngua Portuguesa E-mail: [email protected]

Recently Viewed Presentations

  • Campaign Definition: a series of operations to accomplish

    Campaign Definition: a series of operations to accomplish

    Synonym: detailed. Antonym: Simple. Parts of Speech: Timothy tried to elaborate. on his description of the suspect so that the police could draw an accurate sketch of him. Adjective. Elaborate. TELL . ME . MORE. Author: Nancy Bennett Created Date:...
  • It is a truth universally acknowledged that a

    It is a truth universally acknowledged that a

    At last, Lady Russell drew back her head. Now, how would she speak of him? "You will wonder," said she, "what has been fixing my eye so long; but I was looking after some window-curtains, which Lady Alicia and Mrs....
  • Diapositiva 1 - Banco de España

    Diapositiva 1 - Banco de España

    Toniolo et al. measure the pricing of the Italian Consols. In general, to understand with clarity whether the Italian monetary union played a role in the rise of the "Southern Question", an in-depth analysis of other factors, such as the...
  • Protein homology detection by HMMHMM comparison Johannes Sding

    Protein homology detection by HMMHMM comparison Johannes Sding

    Protein homology detection by HMM-HMM comparison Johannes Söding A topic in Sequence analysis Presented by: Giriprasad Sridhara [email protected] CISC 841 Spring 2006
  • The lesser known learning differences ~ Supporting students

    The lesser known learning differences ~ Supporting students

    The lesser known learning differences ~ Supporting students with dyspaxia and dyscalculia. Michelle Cowen Lecturer / Academic Lead for Disability & Dyslexia University of Southampton, Faculty of Health Sciences Consultant in Dyslexia, Dyspraxia and Dyscalculia Royal College of Nursing [email protected]
  • FALLEN HEROES PARK PLANO STREET BRIDGE  WIDENING PUBLIC

    FALLEN HEROES PARK PLANO STREET BRIDGE WIDENING PUBLIC

    Valley Longhorn Elderberry Beetle Protection: Special thanks to Congressman McCarthy for his support in assisting with Porterville (Kern, Kings and Tulare Counties) being removed from protected habitat of Elderberry species. Looking forward to the year ahead.
  • SUNDAY 9th July 2017 Today Mark Baxby will

    SUNDAY 9th July 2017 Today Mark Baxby will

    The 'Chapel A Charity Cricket Match 2017' will take place at Woodhouse CC on Meanwood Road on Thursday 13th July at 6pm. It should be a fun night and all are welcome. Please let James Dey know if you want...
  • This is SINTEF 2013 May 2013 SINTEF Materials

    This is SINTEF 2013 May 2013 SINTEF Materials

    Process modelling. ProcessIndustry. Norwegian . Aluminium. and ferroalloys industries are today the cleanest and most energy-efficient in the world, resulting from a long tradition for continuous innovation, where SINTEF has played an important role.